Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Sem categoria’ Category

Está de volta ao Brasil uma exposição de dupla relevância para cidadãos devidamente conectados ao seu tempo: “As dores da Colômbia”, com mais de 60 obras sobre o conflito colombiano de autoria de Fernando Botero, pintor e escultor nascido em Medellín há quase 80 anos – e que figura, com seu inconfundível estilo que apela à redondeza, entre os artistas mais ativos, conhecidos e bem pagos da atualidade. Com seis aquarelas, 36 desenhos e 25 pinturas realizadas entre 1999 e 2004 e posteriormente doadas por Botero ao Museu Nacional da Colômbia, de Bogotá, a mostra retorna ao país depois de estrear em São Paulo no Memorial da América Latina, em 2007, quando foi visitada por 25 mil pessoas. Agora vem com mais fôlego, ocupando o MuBE, na capital, a partir desta sexta-feira (25/11), depois de ter passado por Brasília, Curitiba e Rio de Janeiro e antes de chegar a Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador.

Botero - Dores da Colômbia

Obra de Botero dentre os quadros expostos

Na década de 1960, ele criou o mural “Massacre dos inocentes” e, depois disso, os quadros “O Assassinato de Rosa Calderón” e “A guerra”, em que retrata as atrocidades vividas por sacerdotes, mulheres e crianças. Ganhou destaque, especialmente, a série de quadros que pintou evocando torturas feitas por soldados norte-americanos na prisão de Abu Ghraib, no Iraque.

Veias abertas

Assim como Botero se refere a um “passado” violento, muitos colombianos insistem que esses anos de violência já não são uma realidade. Na passagem da mostra por Brasília, por exemplo, muitos cidadãos colombianos radicados no Brasil evitaram comentar o tema por trás dos quadros e, segundo reportagem da Agência Brasil, alguns se queixam da imagem de violência que “continua a ser vendida” sobre a Colômbia.

Segundo Maria Elvira Pombo Holguín, embaixadora da Colômbia no Brasil, “a Colômbia tem orgulho de expressar seu anseio de liberdade através da arte. Botero se refere à Colômbia para ilustrar suas angústias sobre a própria condição humana. Em nosso país, essas dores foram a base para a construção de uma sociedade justa”.

De fato, o trabalho exposto em “As dores da Colômbia” faz referência a episódios dos anos 1980 e 1990 no país, quando os atentados de narcotraficantes eram comuns e bombas eram colocadas em centros comerciais e carrosestacionados em locais de grande circulação com o objetivo de causar danos inclusive à população civil. Mas várias telas da mostrasão cenas de tortura ou de mães chorando a morte de seus filhos, infelizmente ainda vivenciadas na Colômbia, onde a violência de paramilitares, guerrilha e exército persiste alimentada pela rentável lógica da guerra.

Para Angela Santamaria, que veio a São Paulo representar o Museu Nacional da Colômbia na abertura da mostra, “quem dera essas imagens não fossem tão reais”. “Negar que a violência ainda é um problema para nós é tapar os olhos. O que essa exposição propõe é justamente o contrário”, declarou ao Opera Mundi.

Serviço:
Dores na Colômbia
De 25 de novembro de 2011 a 8 de janeiro de 2012 em São Paulo
MuBE (Museu Brasileiro da Escultura)
De terça a domingo das 10h às 19h
Entrada gratuita

Fonte: Opera Mundi – Uol

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: